segunda-feira, 22 de agosto de 2016

UMA CORRIDA


Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. – 1 Coríntios 9:24,25.

Os jogos olímpicos são indiscutivelmente um grande fenômeno mundial. Paramos para ver grandes atletas das mais diversas modalidades e nacionalidades. Acabamos nos envolvendo, nos emocionando e nos tornando torcedores. Quem não parou alguns segundos para ver os momentos de glória do velocista jamaicano Usain Bolt? Este mesmo que impressionou a todos nas Olimpíadas do Rio, em sua primeira aparição no cenário global sequer se classificou para a final dos 200 metros, prova que domina atualmente. Sua história mostra esforço para superar marcas e quebrar recordes pessoais até se tornar cada vez mais um grande atleta, reconhecido mundialmente. Na Bíblia encontramos a vida cristã sendo comparada com a vida de um atleta. O apóstolo Paulo escreve para os coríntios os quais davam muita importância ao atletismo e aos jogos olímpicos de sua época. Antes de competir, os atletas se submetiam a um período de dez meses de rigoroso treinamento. O prêmio era uma coroa de louros, corruptível, que murchava, nada comparado às bênçãos que decorrem da salvação que temos em Cristo. O que isso nos ensina é que, assim como a vida de um atleta necessita de disciplinas e comprometimento, assim também a vida cristã nos chama a sermos disciplinados, a fazermos sacrifícios com o propósito de darmos o melhor de nós e assim glorificarmos a Deus. Estudar a Bíblia, orar, servir, congregar em uma igreja, são algumas dessas disciplinas que fazem parte da nossa “corrida cristã”. Façamos tudo para a Glória daquele que nos deu vida!

Sem. André Bronzeado

terça-feira, 21 de junho de 2016

OPORTUNIDADE



“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” – Eclesiastes 3:1.

Embora o ser humano viva no tempo, há dentro dele algo que transcende o tempo. Por mais que comumente não saibamos explicar bem essa realidade, o fato é que vivemos certa tensão entre o hoje e o para sempre. O tempo quase sempre nos parece hostil e cruel. Vivemos cada vez mais contra o tempo e ele parece estar sempre contra nós de um modo implacável. Nem sempre o tempo é para nós propício e vivemos ansiosos por executar as tarefas que a vida nos impõe. O desespero vem quando nos vemos presos ao tempo e com aquela sensação de estarmos fazendo tudo e nada fazendo ao mesmo tempo. Enaltecendo a nossa inevitável relação com o tempo, o poeta Caetano afirmou: “E quando eu tiver saído, para fora do teu círculo [...] Ainda assim acredito ser possível reunirmo-nos, num outro nível de vínculo. Tempo, tempo, tempo, tempo...”. O mais relevante na prática é entendermos que cada tempo nos é apresentado com seu próprio desafio e oportunidade particulares. Nenhum comportamento nosso será o apropriado para todas as ocasiões. Cada tempo na vida traz seus cuidados. A sabedoria da vida está em discernir o tempo encarando-o como oportunidade dada por Deus. É preciso encontrar o Para Sempre no Hoje, a repercussão eterna no agora. Isso só é possível quando buscamos a sabedoria do alto, conhecendo e obedecendo ao Deus Criador. Ele nos deu o tempo para vivermos sempre para Sua Glória!    

Que Deus abençoe você.
André Bronzeado

quinta-feira, 5 de maio de 2016

NOSSO SOCORRO

“Eu grito pra Ti oh, Deus Vem me socorrer
Olhando pra mim posso saber
Que nada sou(...) Olhando pra mim posso saber Que nada posso fazer”(Grupo: Palavrantiga)

Há momentos na vida em que nos sentimos completamente sozinhos e parece que o mundo ao nosso redor está em ruínas. Chegamos a pensar que ajudamos a sustentar “o mundo de todos”, mas quando “o nosso mundo cai” parece não existir ninguém para nos apoiar. Não creio que esse desabafo expresse na verdade o nosso comum egoísmo, mas sim, sobretudo, a nossa amarga sensação de solidão. Talvez você já passou ou esteja passando por um momento assim. Lembro-me da canção que diz: “Quando o mundo cai ao meu redor, Teus braços me seguram... És a esperança pra mim!” Esse mesmo sentimento encontramos no Salmo 121, no qual o salmista nos ensina como devemos agir diante das adversidades. Ao invés de nos mantermos de cabeça baixa, devemos olhar para o alto: “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro?” A resposta a esta pergunta ao mesmo tempo nos traz a convicção que necessitamos para enfrentar as tribulações: “O meu socorro vem do Senhor, que fez o céu e a terra”. Nenhuma situação temporal é maior que o Deus que fez o céu e a terra! Creia, Deus cuida de nós! Tenha uma semana abençoada. 
Leitura sugerida: Salmo 46.

André G. Bronzeado